sábado, 30 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 28 de Novembro de 1965

O jornal Cidade de Tomar de 28 de Novembro de 1965 dava conta de que se trabalhava "afanosamente" na construção  do nicho a erguer no cruzamento principal da Linhaceira em honra de Nossa Senhora dos Caminhos. O objectivo era conseguir fazer a inauguração no dia 8 de Dezembro (uma data sempre muito simbólica na Linhaceira), mas a meteorologia não ajudou, como se depreende pela própria notícia.

 

De facto, a inauguração acabaria por ocorrer apenas em Fevereiro, e mesmo assim num dia de chuva. De então para cá, o nicho lá está, em frente à escola, ladeado por duas colunas com candeeiros, um monumento singelo mas cujo projecto tem a assinatura de uma figura tomarense de relevo, o arquitecto Costa Rosa.
 
 
 

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Os dias da freguesia: 29 de Novembro de 1992

Os Aviários de Santa Cita, fundados por António Jacinto Ferreira em meados do século XX, foram uma das empresas mais importantes da freguesia de Asseiceira, cuja dimensão acabou por dar origem a um grupo empresarial que marcou o final do século e deu emprego a muita gente. Em 29 de Novembro de 1992, o jornal O Templário publicou um extenso artigo sobre a empresa, tendo por base uma conversa com Carlos Manuel Ferreira, um dos filhos do fundador..


quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 28 de Novembro de 1954

O jornal Cidade de Tomar de 28 de Novembro de 1954 anunciava já os preparativos para a "Festa de Natal dos Filhos dos Operários" da Fábrica de Papel de Matrena.
Não seria uma situação muito comum nas indústrias do concelho, a julgar pelo texto, apesar de nessa época Tomar contar com uma mão cheia de empresas de grande dimensão.
Mais uma das especificidades de uma fábrica que criou à sua volta, nos tempos áureos de meados do século, uma rede de actividades culturais, desportivassociais de relevo.


 
 
Andando uns vinte anos para a frente, encontramos a foto que aqui publicamos, referente ao momento da entrega da prendas aos filhos dos trabalhadores, já na década de setenta.
 
 
 
 

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 27 de Novembro de 1995

O dia 27 de Novembro de 1995 ficou marcado por ter sido a data em que se publicou o primeiro livro de um autor linhaceirense. Um facto importante porque, daí para cá, somaram-se nada menos de 14 livros, de quatro escritores nascidos nesta aldeia (se não é inédito, devem ser poucas as aldeias do país a poderem gabar-se de tal).
Pois o primeiro desta vaga foi um singelo livro de poesia e fotografia, intitulado "Poemas de constância e desafio", da autoria de Nuno Garcia Lopes, lançado pela editora local O Contador de Histórias. Depois vieram Miguel Garcia Lopes, Filipe Lopes e Luís Garcia. Além da imprensa local, o lançamento foi destacado por grande parte dos jornais nacionais, como o Diário de Notícias, A Capital e o Jornal de Letras.

 
 
 
 
 
Este dia fica assim também marcado por ter sido o da estreia das editoras linhaceirenses. De então para cá, além de O Contador de Histórias, foi criada a chancela Terra de Linho e a Associação de Pais e Amigos das Escolas de Linhaceira enveredou também pela aventura da edição. No total, foram perto de trinta títulos já lançados a partir da nossa terra, com textos de nomes maiores da literatura portuguesa contemporânea como Pedro Mexia, Nuno Artur Silva ou José Tolentino Mendonça, e ilustrações de autores igualmente reconhecidos como Bernardo Carvalho, Luís Prina ou Mafalda Milhões. Sem esquecer o Sandro Ferreira, também linhaceirense, e actual finalista do Prémio EDP.




terça-feira, 26 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 26 de Novembro de 1917

Data de 26 de Novembro de 1917, segundo os "Anais do Município de Tomar", de Amorim Rosa, a eleição das mesas das juntas de freguesia, sendo que na Assembleia de Asseiceira, coube a Manuel Joaquim de Oliveira (da Asseiceira) ser o efectivo, tendo como substituto Ricardo Joaquim de Oliveira, da Guerreira.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 24 de Novembro de 1955

Uma notícia breve, publicada no jornal Cidade de Tomar de 24 de Novembro de 1955, dava conta de que, no ano de 1956, seriam efectuadas as obras de electrificação de seis lugares do concelho, entre eles a Asseiceira e a Linhaceira. Era um primeiro passo para que aqui chegasse um bem que hoje nos parece imprescindível, embora na realidade a inauguração da rede eléctrica nas duas aldeias só tenha acontecido em 8 de Dezembro de 1960.

 
A foto que reproduzimos (cedida por Maurício Alves) é um documento importante quanto a este assunto graças a um pequeno pormenor no lado esquerdo. Datável dos primeiros anos da década de cinquenta, antes portanto da electrificação da Linhaceira, mostra todavia um poste de electricidade.
Na verdade, embora não tivesse acesso à rede, a nossa aldeia era atravessada pelas linhas de alta tensão provenientes da Hidroeléctrica do Alto Alentejo, em Nisa, que alimentavam a Fábrica de Papel de Matrena e graças às quais Santa Cita teve luz eléctrica muito tempo antes.
 
 
Já agora, fica também a identificação dos seis alunos, que então frequentavam a Escola Primária (as meninas no edifício onde hoje é o centro de saúde, os rapazes ali na escola recém-construída, onde hoje funciona o ATL): Armando Gilberto, Celestino Garcia, António da Conceição Lopes, Manuel Sousa, Maria Emília Garcia e Noémia.

 

domingo, 24 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 22 de Novembro de 1964


No jornal Cidade de Tomar de 22 de Novembro de 1964 dava-se conta de que a fonte da Taveira ia ser arranjada.
Frisa a notícia que, "ao cabo de tantos anos de espera", a "velha fonte de chafurdo, velho foco atentatório á saúde pública" iria finalmente ser alvo de obras.


Tratava-se de uma fonte em que a água era recolhida à superfície, mergulhando o recipiente (nessa época, provavelmente, ainda um cântaro) dentro da própria água, que brotava do chão e não de um cano superior. Percebe-se, pois, que fosse pouco higiénica.
Refira-se ainda que a Taveira era então um local mais movimentado do que hoje: muita gente que morava noutros pontos da Linhaceira tinha hortas nas imediações do rio, onde existia ainda uma azenha, e que serviria igualmente para a lavagem da roupa.


A nova fonte, com um sistema mecânico para a bombagem de água, foi recuperada mais recentemente com a criação no local de um espaço de descanso. E, embora actualmente não tenha água corrente, é um dos sítios mais pitorescos da Linhaceira, merecendo toda aquela área, desde a Taveira até ao rio, ser preservada e classificada como de interesse turístico.





sábado, 23 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 23 de Novembro de 1915

Em 1915 existiu um colégio na Linhaceira. Embora seja necessária alguma cautela quanto ao que entendemos por este nome, o que se depreende dos documentos encontrados nas nossas pesquisas é que se trataria de uma escola particular de instrução primária.
Se teve ou não funcionamento efectivo, com frequência de aulas, não o conseguimos comprovar. Mas a verdade é que, na sequência do processo de tentativa de criação de ensino para adultos levado a cabo pelo professor António Augusto Ferreira, de que ontem falámos, o livro "Linhaceira e as suas escolas", de Miguel Garcia Lopes e Nuno Garcia Lopes, refere que, num ofício datado de 23 de Novembro de 1915, a professora do ensino livre Maria da Conceição Fernandes Baptista pedia emprestada "para o colégio que abriu no lugar de Linhaceira" a mobília que fora substituída da Escola Masculina da Asseiceira.
Embora, como o livro refere, não se tenha até hoje encontrado mais nenhuma pista que conduza àquele nome, talvez não seja mera coincidência que o apelido Baptista seja o mesmo da esposa do professor Augusto. Um assunto que continua sob investigação.


sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 22 de Novembro de 1915

Faz hoje 98 anos (dois e meio depois da primeira deliberação da Câmara de Tomar de criar uma escola na Linhaceira), um dos documentos que comprovam ter existido instrução primária na aldeia antes da efectiva entrada em funcionamento do estabelecimento de ensino oficial (o que só terá ocorrido em 1918).
Segundo o livro "Linhaceira e as suas escolas" de Miguel Garcia Lopes e Nuno Garcia Lopes, foi a 22 de Novembro de 1915 que a edilidade tomou conhecimento de que o professor António Augusto Ferreira (então a dar aulas na Asseiceira) se oferecia para abrir um curso nocturno para adultos na Linhaceira.
Um ofício datado precisamente do dia seguinte, e que publicaremos amanhã, acrescenta mais dados relevantes a este assunto.


quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Os dias da freguesia: 21 de Novembro de 1965

No jornal Cidade de Tomar de 21 de Novembro de 1965 encontrámos este texto exultante pela chegada à Roda Grande da Biblioteca Itinerante da Fundação Calouste Gulbenkian.


Com um papel determinante na promoção da leitura em Portugal, em particular nas décadas de sessenta e setenta do século passado, as carrinhas da Gulbenkian eram presença regular na nossa freguesia, sendo frequentes as enchentes que a imagem a preto e branco (captada algures no país) documenta.



A última carrinha que a Gulbenkian teve em Tomar transitou depois para a Câmara, quando o património da Biblioteca Local foi cedido à Biblioteca Municipal, junto a cujo edifício foi fotografada numa das suas últimas aparições públicas, em meados da década passada.



quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 22 de Novembro de 1906

Na sessão da Câmara Municipal de Tomar de 22 de Novembro de 1906 foram aprovados vários pagamentos a fornecedores, entre eles os da empreitada de terraplanagem e obras de arte do caminho vicinal entre o Cebolinho e o Chão da Roda, executado por Jacinto Vicente Mota, da Linhaceira. A conta orçou em 250$000 (leia-se 250 mil réis - por curiosidade, refira-se que, correspondendo mil réis a um escudo, na moeda actual corresponderia a 1,25 €).
Serve esta referência também para compararem os preços de bens de consumo na época, disponíveis na página seguinte dos "Anais do Município de Tomar", que também publicamos.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 7 de Novembro de 1897

No dia 7 de Novembro de 1897, o jornal A Verdade, que então se publicava em Tomar, transcrevia a "relação dos mancebos recenseados e sorteados (...) recrutas para o serviço militar", ou seja a "lista das sortes". É um documento curioso, entre cujos 15 nomes referentes à freguesia de Asseiceira (embora não discriminados por lugares), encontraremos com certeza alguns dos nossos antepassados.


 
Ei-los, pois, a partir da pesquisa feita por Miguel Garcia Lopes:
 
António Manuel (Asseiceira) - filho de Manuel António e de Maria Rosa e neto de António José e Maria Antónia e de José Francisco e  Luísa Henriques.
 
- João António (Roda) - filho de José António e Maria Rosa e neto de Manuel António e Maria de Jesus e de José Luís Vicente e Maria Rosa. 
 
 
- João Marques (Linhaceira) [na foto com o neto Celestino]- era filho de Custódio Marques e de Maria Rosália de Jesus, neto de João Marques e de Maria Josefa e de Manuel António Gilberto e de Maria Genoveva. Casou com Maria do Rosário, tendo ido viver para o Pocilgão, onde foi pai de António, João e  Manuel Marques, de Maria - que casou com José Vicente Bernardino (Alfaiate) - e de Emília, que casou com José Alves Garcia. António Marques casou para a Peralva e Manuel Marques para o Falagueiro. Eram conhecidos pela alcunha de "Lentos".
 
- António Silva (Roda) - filho de José da Silva e Maria Catarina e neto de Manuel da Silva e Custódia de Jesus e de Fernando Rosa e Maria Catarina.
 
 
 
- Francisco Dionísio (Linhaceira) - filho de Manuel Dionísio e de Emília de Jesus, e neto de Dionísio Simões e Joaquina da Conceição e de Manuel António Gilberto e Maria Joaquina. Casou com Júlia de Jesus cerca de 1905 e moraram no Casal dos Rafaéis (hoje Rua D. Gastão). Tiveram cinco filhos, sendo que do filho Jacinto Dionísio vivem hoje alguns filhos e netos na Linhaceira. Também existe ainda a casa onde morou a filha de Francisco Dionísio, Guilhermina de Jesus, que foi casada com José Pereira Cardador, na mesma Rua D. Gastão.
 
- Manuel Ferreira (Linhaceira) - casou com Matilde de Jesus cerca de 1899. Teve onze filhos.
Este casal foi progenitor de Manuel Ferreira Eugénio, o qual casou com Hermínia Maria em 17/5/1930. Nos assentos deste último há uma referência à Laranjeira. Não se encontrando, até agora, referência a outros familiares (descendentes) ou ao casal, parece de admitir que tenham ido para outra freguesia. Laranjeira (na Praia do Ribatejo)? É possível...
 
- Manuel Antunes (Guerreira) - filho de Manuel Antunes e Vitória Godinho e neto de Carlos Antunes e Josefa Joaquina e de Vitorino Ferreira e Joaquina Godinho. Este Manuel Antunes teve, entre outros, uma irmã chamada Maria da Purificação ou Maria Purificação Antunes, que casou em 1901 com José Gonçalves Fagulha, o qual era filho de Francisco Gonçalves Fagulha, curiosamente o mesmo nome de um médico de Paialvo que exerceu a sua profissão durante muitos anos na Matrena. Seriam da mesma família?
 
- Manuel d'Oliveira (Santa Cita) - filho de Alexandre Oliveira e Maria Josefa da Purificação e neto de Manuel de Oliveira e Luísa Costa e de Manuel Garcia e Joaquina da Purificação. Foi casado com Albertina Lopes Oliveira e tiveram, em 1905, uma filha chamada Laura.
 
- Manuel Sirgado (Cerejeira) - filho de Manuel Sirgado e Rosa Emília e neto de João Sirgado e Maria Josefa  e de Joaquim Dias e Maria Emília.
 
- Manuel Sirgado (Roda) - filho de Custódio Sirgado e Maria Jacinta e neto de José Oliveira Figueiredo e Josefa Conceição e de Rafael Oliveira e Gertrudes Conceição. Casou com Custódia Rosa.
 
- Manuel Antunes (Guerreira) - filho de António Antunes (ou António Carlos Antunes) e de Guiomar da Conceição, e neto de Carlos Antunes e Josefa Joaquina e de José Duarte e Bárbara de Jesus. Era irmão de Guilhermina Conceição Antunes, a qual casou com João Maria Arraiois e teve três filhos: Emília da Conceição, Maria de Nazaré e Gabriel Arraiois. Deste Manuel Antunes não encontro, até agora, descendentes registados na freguesia de Asseiceira.
 
 - Miguel Duarte Silva (Asseiceira) - filho de José Duarte da Silva e Ana dos Santos Duarte e neto de José Duarte e Maria da Purificação e de Francisco dos Santos e Ana Margarida. Casou em 1903 com Maria Ângela (ou Augusta) Santos Oliveira.
 
- António Vicente (Linhaceira) - filho de Manuel Vicente e Rosália Santa e neto de José Vicente Inácio e Joana de Jesus e de António Santos e Rosália da Purificação. Com alguma reserva, diremos que este António Vicente terá casado para a Perdigueira com Potenciana Joaquina. A reserva deve-se ao facto de Manuel Vicente aparecer como casado na Linhaceira com Rosália Santa mas também na Perdigueira com Maria Santa. Pode tratar-se de um engano no registo ou então esta Maria Santa ser um segundo casamento por morte da sua possível irmã, Rosália Santa.
 
- Manuel Pinhão Júnior (Roda) - filho de Manuel Pinhão e Iria Joaquina e neto de Manuel Pinhão e Maria Ribeira e de João José Carvalho e Maria Joaquina. Casou com Maria Rosa.
 
 


segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 18 de Novembro de 1897

No dia 18 de Novembro de 1897, a Câmara Municipal de Tomar deliberou pedir ao Governo a construção da Estrada de Santa Cita a Tancos, pedido que, diz-nos Amorim Rosa nos "Anais do Município", mais tarde foi satisfeito. Terá sido, pois, esta a génese da construção daquela que é hoje a Estrada Nacional 358-1, principal via de acesso à Linhaceira.
No recorte dos Anais que publicamos, deixámos, por curiosidade, e porque é mais um documento que nos ajuda a caracterizar a nossa comunidade na época, a listagem da produção agrícola do concelho  nesses tempos.

domingo, 17 de novembro de 2013

Os dias da freguesia: 11 e 17 de Novembro de 1876

No dia 11 de Novembro de 1876, ao invés do Verão de S. Martinho, ocorreram aquelas que foram consideradas pelo Governo Civil de Santarém como as mais avassaladoras tempestades que assolaram o distrito no século XIX.
O concelho de Tomar foi especialmente afectado, como se depreende da leitura dos "Anais do Município" referentes àquelas datas, tendo sido criadas comissões para acompanhamento dos problemas em cada uma das freguesias.
No caso concreto da Asseiceira, na sessão de Câmara de 17 de Novembro, o regedor chamou a atenção para "a necessidade de mandar consertar o caminho de Santa Cita [à sede de freguesia], consequência dos danos causados pelas chuvas torrenciais".

sábado, 16 de novembro de 2013

10 mil

Foi hoje, por volta das 20 horas, que a Biblioteca de Temas Linhaceirenses, atingiu as 10 mil visualizações. De então para cá, o número já cresceu significativamente.
Obrigado a todos vocês que estão aí desse lado!
Para celebrar, aqui vai uma imagem sem indicação, para ver se andam com atenção e descobrem rapidamente onde é. A foto tem três anos e a localização é facílima. Sabem onde é?

Os dias da Linhaceira: 16 de Novembro de 1992

Tomou posse nesta data a Assembleia de Credores da Fábrica de Papel de Matrena. Reabrir a empresa era o objectivo, embora inglório, como se veio a verificar.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Os dias da freguesia: 14 de Novembro de 1992

Realizou-se no dia 14 de Novembro de 1992, na Asseiceira, segundo o jornal O Templário, o III Encontro de Folcloristas, iniciativa do Rancho Folclórico "As Lavadeiras", em conjunto com a Federação do Folclore Português e a Associação de Defesa do Folclore da Região dos Templários.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 14 de Novembro de 1975

Foi no dia 14 de Novembro de 1975 que se efectuou a escritura de constituição da Associação Cultural e Recreativa de Linhaceira.
A publicação notarial foi feita cerca de dois anos depois no jornal Cidade de Tomar.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 13 de Novembro de 1966

Faz hoje 47 anos, queixava-se o articulista do jornal Cidade de Tomar, na coluna com notícias da Linhaceira, de que a azeitona era escassa e possivelmente nem os lagares iriam funcionar. Não deixa de ser curiosa, porém, a frase de resignação que remata o assunto: "Cumpra-se, todavia, a vontade do Criador."


É uma boa ocasião para voltarmos ao livro "A oliveira e o azeite no concelho de Tomar", de Manuel da Silva Guimarães e dar conta de algumas das referências feitas na obra à apanha da azeitona na nossa freguesia.
Uma delas é a época da apanha que, curiosamente, é referida mais tardiamente na Linhaceira que no resto da freguesia (ficam também, por curiosidade, as fotos da página ao lado, referentes à venda da material para a apanha na Feira de Santa Iria, em 1971).

 

Não sendo também obtidas na freguesia, as fotos do tendal serão facilmente reconhecidas como muito próximas do que aqui habitualmente se fazia.

 
 
Finalmente, a receita do curtimento da azeitona para comer, obtida na freguesia, há quarenta anos.
 
 

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Os dias da freguesia: 8 de Novembro de 1885

Segundo o jornal A Verdade, de 8 de Novembro de 1885, citado pelos Anais do Município, neste ano houve duas listas concorrentes á Câmara de Tomar, ambas de carácter "regionalista", uma das quais sem qualquer elemento da cidade. Um deles era António Joaquim de Oliveira, da Guerreira, que terá sido o primeiro vereador daquela autarquia oriundo da freguesia de Asseiceira (não se encontra, pelo menos, nenhuma referência a esta origem durante os cinquenta anos anteriores, em que o nosso território passou a pertencer ao concelho de Tomar).
Isto porque, segundo a mesma fonte, esta lista acabaria por vencer as eleições.


segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 11 de Novembro de 2006

Foi no dia 11 de Novembro de 2006 que se realizou a primeira edição da Feirinha de S. Martinho, desde então organizada com regularidade anual pela Associação de Pais e Amigos das Escolas de Linhaceira. A ideia inicial foi apresentada numa assembleia de pais por Gisela Martins, que viria posteriormente a assumir o cargo de presidente do Conselho Executivo da Associação.
O objectivo era então premente: com o ATL e o serviço de refeições aos alunos da EB1 e do Jardim-de-Infância a darem os primeiros passos, era crucial conseguir algumas fontes de rendimento que ajudassem a equilibrar as contas.
Com o passar dos anos, para além de dar sempre algum apoio às finanças, a Feirinha passou a ser encarada cada vez mais como um momento de convívio e abertura à comunidade, de que tem sido exemplo a colaboração de outras instituições locais como a ACR, o Rancho Folclórico ou a Comissão de Culto. Foi, aliás, nas instalações da ACR que aconteceu a primeira edição, como documenta o cartaz.



domingo, 10 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 10 de Novembro de 1792

Nos "Anais do Município de Tomar" referentes a 1792, dá-se conta de que  no dia 10 de Novembro desse ano foi efectuado exame de lagareiro a Luís Francisco, da Linhaceira, que foi considerado apto pelo juiz do ofício, Francisco da Costa, da Foz do Rio. É uma das referências mais antigas a estas duas aldeias que se encontram naquela compilação redigida por Amorim Rosa.
Não temos, naturalmente, imagens da época, mas não será descabido imaginar que os lagares de então fizessem uso de tarefas e talhas em tudo semelhantes ainda àquelas que nos aparecem fotografadas na Asseiceira no livro de Manuel da Silva Guimarães "A oliveira e o azeite no concelho de Tomar", publicado pela Câmara Municipal em 1979, mas cujo trabalho de recolha começara quase dez anos antes É a obra mais completa publicada sobre este tema e contém um importante conjunto de referências genéricas do concelho, mas também muitas especificidades quer da freguesia de Asseiceira, quer dos seus lugares, nomeadamente da Linhaceira. Embora há muito esteja esgotado, existem vários exemplares para consulta pública no fundo local da Biblioteca Municipal de Tomar.


sábado, 9 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 9 de Novembro de 2008 e 8 de Novembro de 2010

O papel da Associação de Pais e Amigos das Escolas de Linhaceira (APAEL) tem tido algum destaque na comunicação social, não apenas a nível local e regional mas também nos principais órgãos nacionais.
Em 9 de Novembro de 2008, o jornal Diário de Notícias destacava a realização da Feirinha de S. Martinho entre várias iniciativas pelo país.



No dia 8 de Novembro de 2010 foi a vez do jornal Público, que deslocou aqui uma equipa de reportagem a propósito da aquisição do contentor para as AEC's feita pela APAEL. O tema mereceu uma página inteira naquele que é um dos mais conceituados diários nacionais (disponível no site do Público para quem seja assinante), com fotografias de grande qualidade assinadas por Pedro Martinho (que podem ser vistas na página do flickr do autor)  e texto de Bárbara Wong, jornalista especializada na temática da educação, matéria sobre a qual já editou os livros "A escola ideal" e "A minha sala de aula é uma trincheira".

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 7 de Novembro de 1980

O Jardim-de-Infância da Linhaceira entrou em funcionamento no ano lectivo 1979/1980, segundo nos conta o livro "Linhaceira e as suas escolas", mas ainda no edifício da antiga escola primária, hoje centro de saúde.


O edifício próprio entraria em funcionamento no ano lectivo seguinte, comos e depreende da leitura do jornal Cidade de Tomar de 7 de Novembro de 1980, que nos dá mais alguns dados interessantes sobre a vida escolar de então.

 
 
As fotos, pertencentes ao arquivo do Jardim-de-Infância, foram captadas, pelos nossos cálculos, entre 1984 e 1987.
 



quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Os dias da Linhaceira: 7 de Novembro de 2010

Foi no dia 7 de Novembro de 2010, no âmbito da Feirinha de S. Martinho, que a Associação de Pais e Amigos das Escolas de Linhaceira publicou o seu primeiro livro.
O objectivo era angariar fundos para ajudar a pagar o contentor, destinado às Actividades de Enriquecimento Curricular, que fora adquirido em Agosto, objectivo esse que foi plenamente conseguido.



Mas o lançamento de "O dia em que choveu pétalas", escrito e ilustrado por linhaceirenses, Nuno Garcia Lopes e Sandro Ferreira, e com arranjo gráfico de uma natural de Santa Cita, Madalena Garcia Chaveiro, teria ainda a importância de ser o primeiro livro para crianças que conta a lenda de Santa Iria devidamente adaptada à idade em que todos os miúdos do concelho de Tomar aprendem a história da sua padroeira.